Você acha que é função do Estado regular a moralidade do povo? Um governo que se guia por princípios bíblicos deveria punir cobiçosos, desobedientes aos pais, mentirosos, masoquistas, homossexuais, bêbados, gulosos, entre outros pecados PESSOAIS?

Posted on novembro 20, 2010

0


Segundo a Escritura, é papel do Estado punir os maus e proteger os justos – no plano horizontal, porque no plano vertical os justos são apenas aqueles que receberam a justiça de Jesus sobre si.
Inevitavelmente, em sua função de reprimir o mal e defender o bem, o Estado regulará a moralidade. Se ele não promover a moral cristã, vai promover algum outro tipo de moralidade, mas não há neutralidade aqui.
Este é um lado da coisa.
O outro lado é que, não cabe ao Estado lidar com todos os problemas morais existentes, mas apenas aqueles que estiverem relacionados à repressão/punição do mal e promoção da justiça em níveis comunitários e sociais.
Não é qualquer ato imoral ou amoral que deve ser punido pelo Estado, mas os que gerarem impacto abrangente.
Para caminhar pelos exemplos que você mencionou, o impacto da gula é privado (talvez familiar) e não promove a maldade do ponto de vista social. Assim, não cabe ao Estado punir alguém por se comportar como um guloso. É um pecado pessoal, como você diz.
Por outro lado, o roubo é um ato imoral, com impacto amplo, e que promove a injustiça e a maldade. Cabe ao Estado reprimir e punir ações do tipo.
O Estado deve reconhecer a sua esfera e ficar nela. As autoridades prestarão contas a Deus.
Abraço, e obrigado pela pergunta.

Pergunte qualquer coisa

Marcado:
Posted in: a Caneta